sábado, 11 de novembro de 2017

SÃO MARTINHO

10NOV1972 – Campo Militar de Santa Margarida -

(…) Na 3ª feira à noite fomos à feira da Golegã, no mini do Saramago Leite, beber uma água-pé. Amanhã vai lá o Tomás papar mais uma jantarada e a Gertrudes cortar uma fita.

Segundo novas informações iremos para Marrupa. É no Niassa, numa zona mais operacional do que Mandimba, zona que inicialmente nos estava destinado. A certeza só a teremos quando chegarmos. A partida para Moçambique está agendada para as 21 horas do dia 28 de Novembro - uma 3ª feira, num boeing 707 dos TAM. A viagem do campo militar de Stª Margarida até Figo Maduro será efectuada em autocarros, ao escurecer, para que ninguém veja mais uma manada de carne para canhão a partir para aquele longínquo império.
Diário de um militar da C. Caç. 4242


Silva disse:
Boa tarde.
Lembro-me perfeitamente deste dia na Golegã à noite.
A água-pé era de 14 graus e fez os seus efeitos. Lembro-me do Azevedo entrar para o carro empurrado por alguns de nós (não me lembro quem), pois não se tinha em pé.
Junto onde tínhamos o carro vivia um homem que costumava vir aqui a Espariz vender hortaliças, melão etc., do qual o meu pai era cliente.

Eu conheci-o e cumprimentei-o e na conversa falou-se em ir à adega, quando ele respondeu ao ver assim o Azevedo:

Pode ser quando quiserem, mas hoje já não bebem mais, já têm a vossa conta.

Outra coisa.

Estou a pensar numa coisa para o Natal.

No Meponda não havia uma escola construída em cimento muito arranjadinha e não estava lá um policia que era algarvio e se chamava Pincho?

Eu tenho uma fotografia tirada o dia 24 de Dezembro de 1973 à porta de armas com alguns rapazes do 3º pelotão, e tenho impressão que era uma saída para o Meponda, embora não conste na História da Companhia.

Confirma-me se te lembrares que seria mesmo o Meponda e o policia seria mesmo Pincho.

Um abraço

SILVA

Moreira Nunes (cap.) disse:
Olá Almeida, 
É  com uma saudade enorme quando vejo recordar um forte sentimento de amizade passados tantos anos de um convívio nem sempre agradável.
Como é do conhecimento de todos continuo a viver na Ilha da Madeira e estarei sempre disponível para vos receber.
As deslocações ao Continente são ou de trabalho ou para visitar a família que ainda tenho no Porto.
O ano que passou não me foi possível estar presente no almoço anual da ccaç 4242.
Bem hajam pela vossa dedicação.
Um forte abraço do 
Moreira Nunes.


Miguel Simas disse...
Não fui no Mini do Jaime Leite mas da viajem do 707 dos TAM não me safei. Saímos de Lisboa pelas 22H30 e cerca das 06H30 fizemos escala em Luanda. Pela janela do avião vi um PM. da força aérea de calções e de camisa esbargalada. Disse para mim "aquele já está apanhado pelo clima". Quando deito a perna fora do avião parecia que estava entrando numa estufa de ananases, Disse cá para mim "vou deixar os ossos em África". Quis Deus que não. Gostei da presença do Capitão Nunes. Acho que deveria ser mais activo neste blogue. 



Um abraço para todos.

Azevedo disse:
A água pé fez-me realmente mal, mas há mais um pormenor: o senhor do café por já farto de nós, deu-nos ordem de expulsão. Eu estava realmente em mau estado, mas o resto da equipa também!... 
Abraços do Azevedo. 

Azevedo voltou a dizer:
Era realmente o Pincho. Um polícia do recrutamento da província, mas algarvio. Um dia, eu,o psícola e outros fomos lá almoçar peixe seco que tinha sido pescado no lago local. Ele quando se ia abastecer à 4242, ficava muito bem tratado e eu que o diga!!... 

Mota disse:
Recordo essa ida à Golegã mas eu fui no carro do Almeida (vago) .
A ida foi pacífica mas o regresso a Sta Margarida foi bastante preocupante pois as curvas da estrada, demasiado fechadas para a velocidade a que se ia, era para fechar os olhos, que na verdade já não estavam muito abertos.
De Sta Margarida também recordo a caserna dos cabo milicianos onde eu não podia dormir com os habituais jogadores de lerpa toda a noite a jogar e de vez em quando lá iam dando um tirinho de salva para me acordar, mas como eu não ligava a essas provocações acabavam por desistir e o jogo continuava.
                     Um abraço do amigo Mota a toda a família da C.CAÇ 4242

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

EPISÓDIOS DA MINHA MISSÃO EM ÁFRICA

EPISÓDIOS DA MINHA MISSÃO EM ÁFRICA – É o título do livro escrito por D. Eurico Dias Nogueira, Arcebispo Primaz, primeiro Bispo de Vila Cabral (1964-72), segundo e último de Sá da Bandeira (1972-77).
(...) A pide investigou esta carta, através de destacado terrorista da Frelimo, Subchefe da Zona B, distrito de Mandimba.
(...) mande pelo portador um garrafão de cinco litros de vinho, para festejarmos o próximo aniversário do início da nossa luta.
...
 O Bispo de Vila Cabral também tinha medos. Numa viagem de táxi aéreo para Mandimba, junto ao Malawi, ao aterrar, já a baixa altitude, “sentimos forte estremeção, que julguei ser causado por um golpe de vento. Em terra verificámos que houvera o impacto de um projéctil, furando uma asa”.

Para ler o texto completo clicar aqui 

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

O REGRESSO DOS SOLDADOS - HÁ 43 ANOS

19 OUTUBRO 1974 - Regressaram no voo dos TAM os militares da C. CAÇ.4242.
A viagem foi penosa como todo o percurso militar. Ao olhar para trás, à saída da porta de armas do quartel em Mandimba uma fila enorme de viaturas com militares nostálgicos mas satisfeitos porque, enfim, o regresso muito esperado a casa. 
Finalmente a retirada,
rumo a Nampula
Quem seguia na 1ª viatura? E na última?Viaturas militares que sulcaram o pó da picada durante quase 2 dias até Nampula. Nesta cidade permaneceram vários dias para procedimentos burocráticos como a comissão liquidatária. 
Depois, a partida em avião para a cidade da Beira, com aventuras e peripécias diversas,  à espera de embarque para Lisboa
À chegada a Lisboa, no crepúsculo iluminado da capital, vem à lembrança o poeta Cesário Verde: "Nas nossas ruas ao anoitecer, /há tal soturnidade, há tal melancolia/...O céu parece baixo e de neblina..."
À chegada a Figo Maduro a alegria estampou-se no rosto de todos os militares. Feito o espólio, a guia de marcha no bolso,  o pagamento do que era devido, cada um regressou a sua casa.
A história não acaba aqui. Todos os anos estes militares encontram-se: ontem em Gaia, hoje em http://www.mirafreita.pt/, amanhã na Covilhã ou em Nisa ou em Cantanhede. E sempre lembrando os que já não estão connosco.
Um abraço para todos.

sábado, 14 de outubro de 2017

A ladroeira


“(…)
- Hoje temos uma saída em força para o mato. Há tempos que tal não acontecia: uma companhia em peso, numa operação que nos poderá trazer um louvor, não por parte do comandante de batalhão, mas do comandante de sector. Vocês lembram-se quando ele aqui esteve…
- Ora, foi na altura em que melhor se comeu: até champanhe foi servido. E não se pagou nada – referiu o "Bernardo".
- E vocês a darem-lhe no custo das refeições. Eu e o primeiro-sargento fazemos o que é possível…
- Mas quanto é que tu [capitão] e o primeiro-sargento metem no bolso com as refeições dos praças, dos sargentos e nossas? – ripostou o "Cancela."
- Deixa-te dessas merdas. Tu é que és o gerente da messe [dos oficiais].
- Pois, estás à espera de ensacar mais! Não te basta a gasolina que vendes aos civis?!...
- Meus senhores – disse o capitão, a rematar a conversa, com um sorriso sarcástico: - o que interessa é que vocês vão para o mato. Não estejam com conversas da treta. Despachem-se. As berliets estão quase prontas e vocês devem estar no mato o mais rápido possível.
Fez-se silêncio. Parece que o frango começava a ficar atravessado no estômago de cada um.
(…)”
In "Cancela tropa - O Uivo da DGS" - Uma história (quase) real da C CAÇ 4242

sábado, 23 de setembro de 2017

Rio Lugenda

O rio Lugenda é um rio de Moçambique, afluente da margem direita do Rio Rovuma.
Militares da C. Caç. 4242,
em horas de ócio

Nasce no lago Chiuta, partilhado com o Malawi, percorre o lago Amaramba, a norte e, a seguir toma a direcção SO-NE, atravessa os distritos de Mandimba e Majune, faz parcialmente a fronteira entre este distrito e Marrupa e entre este e Mecula, a seguir separa este distrito do de Mueda, confluindo com o rio Rovuma perto de Negomano, no extremo noroeste da província de Cabo Delgado.

Recebe vários afluentes, entre os quais se destaca o rio Lureco.(Wikipédia)
A natureza superou-se na hora de criar o Niassa. E em nenhum sítio é tão claro como nas margens do rio Lugenda, paraíso de plantas, homens e animais. (A Volta ao Mundo, Janeiro 2009)
Na foto acima 4 ex-militares da C. Caç. 4242 banham-se na cascata do rio Lugenda, muito próximo de Mandimba. Jovens despreocupados, com 22 anos de idade, ignorando os jacarés e a praga dos macacos e as cobras e o feijão macaco, a matacanha e a micose e os "afrontamentos" (Faça clique na imagem para ampliar e descubra os artistas).
O director do blogue

Azevedo enviou uma hiperligação para o blogue:
"Em cima, da esquerda para a direita, Borges e Silva, ao meio Andrade e em baixo Azevedo
. Três putos, não há dúvida!... Abraços, Azevedo"

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

32º CONVÍVIO C. CAÇ. 4242 - DISCURSO DO SIMAS

(...) Fará este ano, lá para Novembro, 45 anos, em que um punhado de rapazes saiu de Santa Margarida, em autocarros com destino ao aeroporto de Figo Maduro, de onde partiria num avião Boeing 707, da FAP, a caminho da Beira (Moçambique) com escala em Luanda.

Na bagagem levávamos a nossa grande força de viver e a esperança de regressarmos vivos e sãos, coisa que a alguns, infelizmente, não veio a acontecer(...)


PARA LER O TEXTO COMPLETO CARREGUE AQUI

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Antes de cessar fogo

EXTRACTOS DE RELATÓRIO IMEDIATO
03JUL1974 - Ontem pelas 16,00 h o Grupo de Combate Galo, estacionado na povoação de Munhehere, neutralizou uma mina AP em região coordenadas 1351.3557, detectada por elementos da população armada.
06JUL1974 - Um grupo da Frelimo raptou hoje duas mulheres e duas crianças perto da povoação do Juma, tomando a direcção do rio Lugenda.
O mesmo grupo implantou 3 minas AP, em trilho próximo da mesma povoação.
Nossas tropas do Grupo GE inicia perseguição ao mesmo grupo.
As mulheres e as crianças que o grupo inimigo havia raptado, apresentaram-se na povoação do Juma.
O mesmo grupo retirou em direcção ao monte M`congo, tendo deixado implantadas 5 minas AP no trilho, próximo à referida povoação.
Guarda Rurais neutralizaram as referidas minas.
O Grupo inimigo estimado em 50 elementos deve permanecer junto ao monte Mecongo.
As nossas tropas da C. Caç 4242 do grupo GE seguem amanhã, iniciando a batida ao referido Monte.
Da História Oficial da C. Caç. 4242

sábado, 24 de junho de 2017

MENSAGEM DO SIMAS - 32º CONVÍVIO

ATENÇÃO COMPANHIA.
FIRME!!!!!!

Comunicado de última hora.

Pelo presente se informa que o Furriel Simas e a Furriela Ana, já têm em seu poder, a “Guia de Marcha” para participarem na operação “Cantanhede” desde o passado dia 10 de Maio.
No próximo dia 01 de Julho, à hora aprazada (11H00), estaremos no local que nos vier a ser indicado para o início das hostilidades.
Oxalá que a nossa prontidão e disponibilidade sirva de incentivo para mobilizar os CCAÇs da 4242 para a referida operação.
Um abraço a todos e… até lá.

Miguel M. Simas

quarta-feira, 21 de junho de 2017

32º CONVÍVIO DA C. CAÇ. 4242

Informação complementar do director do blogue:
OS ORGANIZADORES SÃO O MOTA E O SANTOS.
Apela-se a todos que se inscrevam o mais cedo possível e, no máximo, até à véspera do encontro.
Hora de concentração: 11 horas
Boa viagem a todos.


sexta-feira, 2 de junho de 2017

32º CONVÍVIO DA C. CAÇ. 4242

Caros companheiros e companheiras, aproxima-se o nosso convívio anual.
Será o 32º  encontro de militares e seus familiares.
Marquem no vosso calendário o dia 1 de Julho do corrente ano.
O local será brevemente anunciado - algures na picada entre Coimbra e Cantanhede.
Organização de Milton Mota e Joaquim Santos.
Até breve
Um abraço
Almeida Psícola

CLICAR EM BAIXO
https://www.youtube.com/watch?v=u_wq6HlDYVc