terça-feira, 25 de abril de 2017

O nosso 25 de Abril foi a 26

Na tarde de 23ABR1974 fomos informados por um guarda rural que nessa madrugada um grupo IN tinha assaltado as machambas de Juma. Devido à hora tardia não pudemos efectuar a perseguição nesse dia. 
No dia seguinte, pelas 6 horas da manhã, iniciámos a perseguição do rasto deixado pelo IN. O rasto era pouco visível devido à formação utilizada (em linha) e aos inúmeros rios encontrados durante o percurso. Pelas 14 h suspeitámos da proximidade de uma base IN pelo cheiro a fumo de milho cozido. Como o capim era alto e a natureza do solo rochoso, não foi possível detectar o posto avançado da sentinela sem sermos vistos.
Durante ½ hora houve troca de tiros de ambas as partes, tendo o IN utilizado por três vezes o morteiro 61 antes de retirar, embora essas granadas tenham caído perto das NT, não causando, no entanto, feridos. Seguidamente entrámos no acampamento do IN, ficando alguns elementos a fazer a recolha do material na precipitação da fuga dos guerrilheiros da Frelimo e a destruição de 20 palhotas e 2 celeiros ali existente, enquanto a outra parte das NT fazia a perseguição da força inimiga que disparava em várias direcções por entre o capim bastante alto. Pelo rasto de sangue encontrado deduz-se que houvesse um ferido grave, sendo este o sentinela do posto avançado que primeiramente abriu fogo sobre nós. O número provável de elementos seria de 10 guerrilheiros e 5 mulheres, sendo o chefe da base um tal Eugénio Agia, conforme carta encontrada na palhota do mesmo.
Possivelmente alguns elementos IN ter-se-ão posto em fuga completamente nus, pois encontravam-se a descansar nas palhotas quando foram surpreendidos e tinham a roupa a secar. Pelas 18 h chegámos à linha do CF, aproximadamente a 3 km do acampamento de Namicoio Velho.
Na 5ª feira, dia 25 de Abril continuámos o caminho pela linha férrea a fim de detectar uma possível travessia do IN, mas as buscas foram infrutíferas. É de salientar a atitude do 1º Cabo Indala Vali, pela maneira como respondeu, com eficácia, de pé, ao fogo do sentinela IN, afirmando ele que lhe atirou três tiros, atingindo-o.
Resultados obtidos: 1 ferido confirmado; 2 mina A/P TMD 6; 5 GMD mod. F1; 1 granada armadilhada de fabrico desconhecido; 2 carregadores de Kalashnikov, 3 porta granadas; 5 pentes c/ munições; 1 cantil; fardamento diverso e cobertores; 2 caldeiros grandes; destruição de 20 palhotas e 2 celeiros cheios.
In História da Companhia C. Caç 4242

sábado, 15 de abril de 2017

Hoje é dia de festa na aldeia


Fui convidado por um chefe duma povoação [Mepuína] para uma festa que durou todo o santo dia. Professam a religião muçulmana e celebram o início de um novo ano. Tudo começa com uma cerimónia numa espécie de capela. Seguidamente formam dois grupos: homens de um lado e mulheres do outro. Começa então a dança ritual que consiste em gestos e movimentos em roda. Os excessos deste tipo de festas terminam com a alegria e êxtase provocado pela “cabanga” – uma espécie de aguardente.
Diário de um militar da C. Caç. 4242