terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

POESIA DO CAPELAS

Olá companheiros

Ao aceder novamente ao blogue da C.CAÇ.4242, lembrei-me de um trabalho que tenho na minha posse, o qual foi feito durante a nossa estadia em Mandimba. Este trabalho é baseado nuns versos que passo a enviar por anexo.
São versos que diz respeito à saída do Continente para Moçambique e o relato de alguma coisa que se fez  durante aqueles dois anos.
Era para apresentá-los no nosso almoço em Nisa, mas não o fiz por esquecimento. Envio agora se há possibilidades de serem introduzidos no Blog da CCAÇ4242.
Eles foram escritos com a máquina de escrever que estava na secretaria, mas passei-os depois por computador
Ainda tenho na minha posse os originais para recordação.
Um abraço
Joaquim Capelas


Dois anos de tropa em Mandimba, 1972/1974
                       C. CAÇ 42 42 - Moçambique
               1
Vou falar de tropa                                              
Isso fez parte da minha vida                                  
Há três meses que me encontrava                
À espera da minha partida                            
                2
De Santa Margarida eu saí                            
Com destino ao Ultramar                              
Meu coração ia triste                                    
Só tinha vontade de chorar                    
                3
Cheguei a Moçambique                                  
À Beira eu cheguei                                            
Tantos negros desgraçados eu vi            
Até com dó eu fiquei                                        
                4  
Conheci a cidade da Beira                              
Já com alguma emoção                            
Mas vi ainda tanta coisa má                          
Que até metia aflição                                      
                5
Falando do quartel                                          
Aquilo era apenas um dormitório
Tinha vontade de comer
Mas tinha nojo do refeitório
                6
Quanto à alimentação
Pois disso não tenho inveja
Porque o sustento dos primeiros dias
Eram bananas e cerveja
                7
Na Beira eu permaneci
Até chegar a minha hora
Pouco tempo me faltava
Para andar pelo mato fora
               8
Logo que entrei no mato
Aquilo era mesmo para desanimar        
Pior coisa não podia haver                      
Na vida do Ultramar                                  

               9
Muitos negros eu encontrava
A maioria eram velhotas
Muitos quilómetros percorri
Para só encontrar palhotas
              10
Quilómetros eu percorria
Palhotas encontrava ainda
O meu destino foi chegar
À povoação chamada Mandimba
 11
A Mandimba eu cheguei
Já com mais emoção
Mas verificava ainda
Que ia viver dois anos de solidão
 12
E lá se foi passando o tempo
Com alegria e tristeza
Mas como soldados guerreiros
Lutavamos sempre com firmeza
 13
Mandimba davamos mais alegria
Só com os cães a ladrar
Queriamos jogar futebol
Não havia água para nos lavar
 14
Falando de água
Tudo prendia pelo mesmo fio
Queriamos tomar banho
Tinha-mos que ir ao rio
               15
Dia sete de Setembro
Houve uma grande revolução
Pôs a malta de Moçambique
Todas com as armas na mão
16
Mandimba tão inocente                                    
Terra tão mal habitada
Houve uma revolução em L. Marques    
E não sabiamos de nada    
                          17                
Mandimba terra tão triste                              
Que nunca pensei de a conhecer    
Com tanto tristeza que se vê
Nem dá gosto de cá viver    
              18                
Trabalho não faltava                                        
Tudo isto era muito chato                              
Era apenas dois de quartel    
E seis dias de mato    
              19              
Aramistas e operacionais  
Éramos todos unidos  
Contra a força e resistência  
Nunca fomos vencidos  
              20
Ninguém ficava impune
Porque fatalidades aconteceram
Foram soldados valentes
Que em missão faleceram
              21
Mas no mato, sempre valentes e firmes
Porque o importante era  sobreviver
Quando se grassava ao quartel
Tratava-se logo do nosso lazer
              22
No quartel guerrilha não havia
E nem sequer emboscadas
E para nos dar mais alegria
Fazia-se aquelas grandes patuscadas
              23
Eram uns grandes petiscos
Fossem eles de porco ou cabrito
Porque quando ia comer ao refeitório
Ficava logo aflito
              24              
O comandante além de ser valente    
Mas também pensava em perigos    
Até para nos dar trabalho    
Quis fazer abrigos
                           25
Por incrível que pareça                            
Os abrigos não serviram para nada  
Mas se nos negasse a fazê-los                            
Levamos logo uma porrada  
              26
Levamos logo uma porrada
Fosse ela com chicote ou por escrito
A sua palavra era uma ordem
E tudo que dizia está dito, está dito
              27
Mandava-nos trabalhar  
Não havia força para resistir
Quando olhava para a comida
Só dava vontade de fugir
               28
De tanta tristeza que aqui houve
Até magoa o meu coração
Não vale a pena pensar
Nestes dois anos de solidão
               29
Vai para dois anos que estou em Mandimba
Foi um tempo que perdi de mocidade
Para mim Mandimba acabou
Chegou a minha liberdade
               30
Encontro-me no mês de Outubro
Mês que só se come xima
Estou a dizer adeus à tropa
E digo adeus a Mandimba
              31
Outubro que já passou
Foi um mês já com mais emoção
Poucos dias me faltam
Para alegrar o meu coração
              33
Estou a chegar ao mês de Novembro
Mês da minha peluda
Digo adeus a esta terra
E aos manchambeiros que nos saúda
                         34
Novembro está a chegar ao fim
Alguns dias que ainda falta
Digo adeus a Mandimba
E a toda esta malta
              35
A minha estadia em Mandimba
Foi conhecer de tudo um pouco
Se fosse falar mais
Ainda ficaria louco
              36
A respeito destas coisas
Nada interessa a ninguém
O interesse que eu tenho
É brevemente abraçar minha mãe
              37
Para finalizar
Aqui ponho a minha assinatura
E como amigo te digo
Não venhas para cá criatura

Moçambique
Quartel em Mandimba, 17 de Outubro de 1974
Joaquim Nogueira Capelas

Sem comentários: